Alberto Oliveira

Os mesmos que dão vivas aos profissionais de saúde são os primeiros a ofender médicos, anestesistas, enfermeiros, instrumentadores cirúrgicos, etc., acusando a todos de participarem de uma farsa.

Parafraseando o imortal Nelson Rodrigues: "Os hipócritas vão tomar conta do mundo; não pela capacidade, mas pela quantidade. Eles são muitos".

Vista, quem se doer, a carapuça.

E sobre ofensas: Quando desejo ofender alguém, digo ou sugiro que essa pessoa faz ou pretende fazer algo que considero uma ofensa.

Posso chamar de moleque, ladrão, corrupto, etc. Mas nunca mandaria essa pessoa tomar no monossílabo, por um motivo simples: não considero essa uma prática ofensiva.

Agora, se você condena a homofobia e, quando quer ofender alguém manda essa pessoa tomar no dito cujo, sinto muito: está revelando ser aquilo que nega.

P.S.: Em 2014, quando fizeram isso com a então presidente Dilma Rousseff (governo a respeito do qual tenho um universo de restrições), condenei.

Uma vez mais: vista a carapuça quem se doer.

***

Por que será?
Da série "Dúvida atroz que me assola a alma": quem desistiu do carnaval o fez para proteger o povo ou porque não conseguiu uma empresa disposta a associar sua marca à carnificina que fatalmente viria depois?

***

Olhe para todos os lados
"Não olhe para cima" virou o queridinho de uma parcela da sociedade, que vê no filme uma crítica devastadora a negacionistas de direita (há os de esquerda, também, e como os há!). 

O filme tenta ser uma comédia (nem isso consegue) e atira para todos os lados, com pretensas gozações à direita, à esquerda, à postura da imprensa, etc.

Cada um pode encontrar, no filme, semelhanças com personagens reais (direitistas, esquerdistas, negacionistas, alarmistas, cientistas do bem ou do mal, empresários ambiciosos que lucram com a tragédia, etc.).

Mas, acima de tudo, "Não olhe para cima" é um filme ruim, mal editado, com um roteiro recheado de bobagens (como o céu estrelado nas grandes metrópoles), etc.

Nem os atores (estrelados, esses sim) escapam.

Veja o filme, mas sem a pretensão de extrair dele algo que se aproveite.

***

Tô nem aí
Na Bahia, mais de 2 milhões de pessoas "esqueceram" de tomar a primeira ou segunda doses de vacina contra a Covid-19, o equivalente a 70% da população de Salvador.

***

Prince of Persia
Muitos viraram noites envolvidos na tentativa de tirar o príncipe da Pérsia do calabouço e levá-lo aos braços da princesa.

Eu, particularmente, nunca consegui.

Se você, assim como eu, é fã desse joguinho do final dos anos 1980, aqui estão dois links para acesso a ele, inclusive pelo celular:

-- https://princejs.com/

-- https://princejs.com/?strength=50

O segundo link dá acesso a uma versão facilitada do mesmo jogo (quem sabe agora eu consiga).

Colunas anteriores
Ver mais notícias desta seção: mais recentes · mais antigas