Helô Sampaio

Foto: Fabio Barros/Wikimedia Commons

Maturi

E estamos caminhando para sete meses de prisão domiciliar, digo de confinamento pela Covid. A humanidade jamais imaginaria que uma praga conseguisse aprisionar o mundo todo dentro de casa. Não teve nazismo, fascismo, comunismo nem populismo que conseguisse esse feito: de parar o povo do mundo inteiro.

Não, meu lindinho, não estou falando só da minha casinha ou de Ibicaraí, minha terrinha, dizendo que o meu amado povinho caiu em ‘lero’ de algum político safadinho, não. O que vemos é que a população do mundo inteiro – sem discriminação de sexo, cor, raça ou credo – teve que correr pra dentro de casa quando a praga da bruxa foi lançada, e mostrou a cara feia lá do outro lado do mundo.

A Covid pegou a vassoura e correu por todos os lados, levando malefícios e morte a todos os continentes. E quem não acreditou na força do mal, ou não quis se trancar em casa, teve que ser trancado em cova. Não gosto nem de pensar que isto não é ficção, não é imaginação, que é coisa real. Crendeuspadre! Sai pra lá.

Mas, tenha a certeza, meus lindinhos, que vamos vencer mais esta batalha. Nós somos fortes e temos a força do Ser Superior, que não nos desampara. Acredito firmemente nisso e tenho sido vencedora nas minhas batalhas pessoais por essa força. Acredite com firmeza, e as coisas acontecem.

Pense em quantas batalhas você já venceu na sua vida, em quantas dificuldades, quantas barreiras você já derrubou. Esta, é mais uma. Não será a última pois ainda teremos muito a viver, com alegria e fé em Deus. Dificuldades e vitórias fazem parte da vida. Posso falar de cátedra pois já venci muitas batalhas. As sequelas são muitas mas viver compensa.

Fico olhando o sol, acompanhando sua trajetória, analisando as nuvens e rezando para que chegue o tempo bom. Para quê? Pra voltar pra natação, oxente. E prá que haveria de ser?

Já sentei pra me aconselhar com Poliana, a nossa instrutora – que agora também está produzindo sequilhos deliciosos, pastel de goiabada, um salgadinho de cebola maravilhoso. (ela faz vários doces e salgados. Se você quiser experimentar, o telefone de Poli é 71 99978 6960).

Quanto à minha volta a natação, ela, que é muito criteriosa, acha que devo esperar mais um pouco para dar meus mergulhos na piscina. Deixar o tempo segurar mais pra garantir a imunidade. Tá bom. Vou esperar. Mas a minha parte ‘sereia’ está agoniada para se esbaldar na piscina. Amo nadar, amo a água. Não é atoa que sou do signo de ‘caranguejo’.

Mas, a agonia está demais, sozinha em casa, sentindo falta da família, dos amigos, do conversê. Já liguei para Ana, minha irmã, que estou indo com meu amigo, Henrique Barros, pra buscar ela para passar uns dias aqui comigo. Claro que fico uma semana lá em Itabuna batendo perna, fazendo nada, e indo para Ibicaraí ver Lula e os sobrinhos. Estão vendo que programação movimentada? E Henrique também está com saudade da família, que é de lá. Aí, é a sopa no mel. Vamos os dois, vemos a familiarada e ainda trazemos Donana pra cá. Maravilha! Família é trem bom demais.

Por falar em bom demais, pedi a Dulcinha Cardoso uma receita de maturi, pois está chegando a época da safra e eu adoro esse marisco. E Dulcinha caprichou. Como sabe que eu gosto muito, já mandou a receita do maturi com camarão, que é pra gente se esbaldar na mesa.

Aventais a postos, vamos para a cozinha preparar esta delícia, depois lamber os dedos e sentar numa cadeira de balanço para matutar sobre a vida e as dificuldades que ainda teremos que enfrentar. Com o corpitcho feliz, a barriguinha satisfeita, tudo fica mais fácil, meu lindinho.

Maturi com camarão de Dulcinha

Ingredientes
-- 300gr de maturi
-- 500gr de camarão com casca
-- dois dentes de alho e meia colher (sopa) de sal
-- duas colheres (sopa) de cebola batida no liquidificador
-- ½ pimentão e um tomate picados
-- uma colher (sopa) de dendê
-- uma colher (sopa) de azeite de oliva
-- cheiro verde – cebolinha, salsa, coentro – picados.

Modo de preparar:

1 - aferventar o maturi e reservar;

2 - descascar o camarão e temperar com alho e sal;

3 - colocar a cebola, o dendê e os temperos para refogar, juntar o maturi, acrescentar um pouco de água e deixar cozinhar – não por muito tempo;

4 - adicionar o camarão e deixar cozinhar por pouco tempo; finalizr com o azeite de oliva, para saborear com muito gosto, apreciando as delícias que a vida pode lhe proporcionar.

Xêro carinhoso.  

Colunas anteriores
Ver mais notícias desta seção: mais recentes · mais antigas