Helô Sampaio


Entre o peixe e a piscina

Depois de passar uns 20 dias lá no sul da Bahia, retorno para o sossego da minha Itapuã, o aconchego da minha casinha. Mas falar em sossego nestes tempos, é brincadeira, pois tivemos que ficar ‘sossegados’ desde março, com esta infeliz praga, esta maldita covid, que tem ceifado tantas vidas, tem trazido muita tristeza a centenas de milhares de famílias. Vade retro! Mas vamos deixar essa coisa ruim pra lá e falar de coisas boas.

Aproveitei a visita de Dumas, meu pilotinho, recém chegado da Itália, pra ir ao interior buscar as minhas irmãs para dividirem a solidão comigo. Fizemos os testes, estamos todas bonitinhas sem covid. Dumas aproveitou o embalo e seguiu para o Recife, para matar saudade do amorzinho, a Fê, a loura pernambucana. Eu fico com as irmãs articulando um bocado de ‘arte’ para passar o tempo. Santa televisão!

Mas não sou muito cruel e agito a galera mandando todo mundo entrar no carro, com as máscaras na cara e o álcool gel – pois esses ‘trens’ que já fazem parte do nosso corpo pois não podemos nem respirar sem estas drogas. Aí, saio rodando, sem destino, pela cidade, normalmente pela orla. Rodo pela Pituba, Rio Vermelho, as gordinhas de Ondina – minha paixão – Barra, subo para Vitória, Campo Grande. A próxima saída já tem destino certo: vou até o Bonfim, Montserrat, Ribeira e companhia.

Amo esta cidade. Cada vez que eu saio, vejo coisas diferentes, mais belas, atraentes. Salvador é abençoada pelo Senhor do Bonfim que, acho eu, a cada dia se diverte pensando em como tornar a cidade mais sedutora.

E dou uma paradinha em cada lugar novo que eu passo, principalmente barzinho, restaurante e similares. Foi aí que conheci o Fofo de Tapioca, que fica no Open Center Pituba, loja 10 (fone 71 99102-7186) que ainda vai ser inaugurado em princípio de novembro. Mas, como eu conheci Gal, minha amiga que faz cortina e agora vai fazer sedução na mesa com o Fofo de Tapioca, entrei e já fui piloto de prova das delícias que ela vai oferecer com o seu filho Maneca. Bolo tapioca, com recheio de doce de leite, parecendo pintado de ouro, que é o queridinho do pedaço e vai ser o sucesso da Pituba. Tambem sai com morango. Vai lá daqui uns dias, fio, e veja se eu tenho ou não motivo para lamber os dedos. Delícia dos deuses.

Mas no meio da semana, resolvi mudar a agulha da bússola: liguei para a minha querida amiga Ivete Monteiro, que está em Itacimirim,  falei da saudade imensa que sentia, e me convidei para ir almoçar com ela, levando as manas pra matar saudade, claro. Ah! passamos um dia encantador.

Ivete mora no condomínio Tavarua, (que é uma ilha do Pacífico em forma de coração, tá no Google) um maravilhoso, com uma piscina a menos de 10 metros da sua casa e a praia um pouco mais na frente. Eu tomava um gole de vinho, dava um mergulho na piscina. Se você não conhece Itacimirim, Guarajuba ou Praia do Forte, está perdendo um bom momento para a alegria da sua vida. Vale a pena chamar uma galera e sair curtindo esse nosso litoral maravilhoso, com lugares paradisíacos e comida deliciosa, que não pode faltar.

Sued, companheira de Ivete, ficava espantada com a minha tendência a ‘sereia’, caindo na piscina a toda hora. Adoro água. Sou do signo de ‘caranguejo’ e tenho muita atração, tesão mesmo, por rio, mar, piscina. Claro que já estamos arrumando as tralhas para passarmos mais uns dois dias com elas, usufruindo daquele paraíso. Eu já me convidei com as irmãs. Amigo é pra essas coisas, véio. Iva, me aguarde que vamos chegar com a maior energia positiva possível. Já estou vestindo o biquine cavadão, que deixa o meu bumbumzinho bem sedutor.

Ah! mas Ivete nos esperou com dois peixes vermelhos frescos, fritos, que serviu de entrada. E para acalmar a minha fominha, discreta, ela serviu, de lambuja, uma moqueca de badejo (quatro quilinhos, pois conhece as ‘ferinhas’) com pirão, que estava simplesmente divina. Lambi os dedos, sem vergonha. Valeu a visita.

Moqueca de Badejo com pirão de Sued

Ingredientes:

-- 4 quilos de badejo fresco em postas
--  3 cabeças de alho grandes, machucadas
-- Sal a gosto
-- Suco de uma banda de limão
-- Azeite de dendê a gosto (um fio)
-- Um litro de leite de coco fresco
-- Uma lata de creme de leite.
-- 3 cebolas, três tomates, dois pimentões médios, um molhe de coentro cortadinhos miúdos.

Modo de fazer:

1 - Temperar o peixe com limão, alho e sal e deixar descansar durante 30 minutos pelo menos; colocar o peixe numa vasilha com azeite de oliva e leva ao fogo para dar uma tostada.

2 - Quando começar a fritar, adicionar o leite de coco e deixar ferver; depois acrescentar por cima os temperos, tampar a panela, desligar o fogo e deixar cozinhar mais um pouco, no bafo, com a panela tampada.

E veja se você consegue comer sem lamber os dedos, meu lindinho.

Eu, não consegui. Bom apetite!

Colunas anteriores
Ver mais notícias desta seção: mais recentes · mais antigas