Pedro Oliveira


Hospital Municipal atende cerca de 250 pacientes por dia

Com uma população de 34 mil habitantes e sem grandes opções de emprego, a exceção do comércio varejista e poucas indústrias instaladas, Riachão do Jacuípe, pelo menos pode comemorar o esforço do prefeito Carlos Matos (DEM), o único na história do município a encerrar o primeiro ano de mandato “sem restos à pagar e sem dever a ninguém” como ele mesmo afirma, ressaltando o equilíbrio financeiro imposto na atual administração.

Na área da saúde ele destaca a retomada do Hospital Municipal, que estava sob o comando da iniciativa privada, voltando a ser administrado pela prefeitura através da Fundação de Saúde e Assistência Social (FUSAS), após oito anos, com atendimento mais humanizado, a reabertura do Centro de Especialidade de Reabilitação e a ampliação de 11 para 13 o número de PSFs com a implantação de dois novos postos.

Com a pandemia e o surgimento de variantes do vírus, o HM vem atendendo cerca de 250 pacientes/dia, a grande maioria por conta do surto da gripe (influenza H3N2), media considerada muito alta para Riachão que já registrou 49 óbitos pela covid-19. Os gastos têm sido elevados, garante, e para manter as demandas da saúde a Prefeitura está investindo R$1.5 milhão/mês, incluindo R$600 mil destinados ao hospital. Ele também tenta resolver a situação da UPA e do SAMU, que estão sem funcionar desde 2012.

Matos enviou à Câmara de Vereadores um plano de incentivo a aposentadoria de servidores. “Hoje temos 110 funcionários com idade de aposentar e se aderirem ao plano será muito bom. O servidor passará a receber pelo INSS, mas continuará recebendo todos os seus direitos da prefeitura como licença prêmio e férias vencidas, entre outras vantagens, durante 60 meses” explica.

A prefeitura está na iminência de assinar contrato com a Embasa para a implantação do sistema de esgotamento sanitário na cidade, com custo superior a R$ 66 milhões, recursos do Banco Mundial, através do Ministério de Desenvolvimento Regional, a obra, promete acabar com os esgotos a céu aberto e a poluição do leito do rio Jacuípe que recebe os dejetos sem tratamento.

Lembra que fez campanha política em cima do plano de governo e o vem executado por etapas: “Já recuperamos mais de 300 quilômetros de estradas vicinais e investimos mais de R$ 500 mil na iluminação pública. Todavia Riachão deixou de ser beneficiada com a substituição de 1.500 lâmpadas por outras de Led pela Coelba por conta de um débito deixado pelo ex-gestor da ordem de R$ 900 mil” lamenta.

Na área da educação 35 escolas estão sendo recuperadas pela prefeitura. Quanto ao festival de música que seria realizado no ano passado, deverá ocorrer este ano. Carlos Matos diz ainda que com R$ 4,2 milhões, oriundos de emendas parlamentares do deputado Jairo Azi, serão realizados 42 mil metros quadrados de pavimentação asfáltica na sede e melhorias em estradas vicinais. Concluindo ressalta que ultrapassa R$ 80 milhões, o orçamento municipal para o exercício de 2022 aprovado pela Câmara de Vereadores de Riachão do Jacuípe.

Colunas anteriores
Ver mais notícias desta seção: mais recentes · mais antigas