Música

Quinta Massa apresenta shows de Assucena e Filipe Catto

Cantoras trans fazem mini-turnê na Bahia, começando por Salvador

Além de cantoras intérpretes, elas são talentosas compositoras e performers. A segunda edição do projeto Quinta Massa reúne Assucena e Filipe Catto numa mesma noite no Teatro Jorge Amado para dois shows intimistas em que as artistas se desnudam diante do público com suas canções e versões que contam suas respectivas histórias. De Salvador, elas seguem para Feira de Santana e Vitória da Conquista, cidade onde Assucena nasceu. Os ingressos estão à venda na Sympla e na bilheteria do teatro.

Cantora, instrumentista, compositora e ilustradora brasileira, Filipe Catto ganhou fama ainda muito jovem, voltada para a MPB, o samba e o tango moderno, mas, com o tempo, avançou para outros gêneros, como o jazz, o rock e o bolero, entre outros. Nascida e crescida no sertão da Bahia, Assucena também constrói sua identidade artística a partir da influência das mais variadas vertentes da música popular brasileira, em composições e interpretações que dialogam com ritmos diversos como o samba, o rock e a música pop contemporânea.

Ambas possuem um histórico com apresentações com grandes nomes da música nacional. Catto com artistas como Maria Bethânia, Ney Matogrosso, Vanessa da Matta, Toquinho Daniela Mercury, Zélia Duncan, Arnaldo Antunes e Nando Reis, e Assu com Elza Soares, Alcione, Daniela Mercury, Ivete Sangalo e Ney Matogrosso, além de colaborações com artistas da nova geração, como Emicida, Linn da Quebrada, Pitty, Liniker, Filipe Catto, Xênia França, Luedji Luna, Maria Gadu, Tulipa Ruiz, Pablo Vittar e Fabiana Cozza.

Catto já emplacou canções em famosas trilhas sonoras, como "Saga" (trilha da novela Cordel Encantado), "Quem É Você" (trilha da novela Sangue Bom), "Adoração" (trilha da novela Saramandaia) e "Flor da Idade" (trilha da novela Jóia Rara). Assucena já foi indicada duas vezes ao Grammy Latino e já ganhou dois Prêmios da Música Brasileira antes de ingressar em sua carreira solo em dezembro de 2021, quando ainda estava na banda As Baías.

Há muito mais em comum entre elas, e fica o convite para os baianos conferirem seus repertórios caprichados e reveladores, só na voz e violão. Com duas artistas trans de destaque na atual música autoral contemporânea brasileira, não há como deixar de ser também uma noite para celebrar a diversidade e o reconhecimento do potencial artístico e profissional da comunidade LGBTQIA+.

Informações: 71 98373-3939 (WhatsApp)